Analytics

sábado, 27 de setembro de 2014

Mudança de hábitos, reflexões e o filme “Sentidos do Amor”


Durante essa semana estava reparando nas pessoas e refletindo sobre como nós, seres humanos, somos passíveis de sermos moldados pela nossa situação. E isso não é de forma alguma ruim, pelo contrário, acho lindo ver a flexibilidade e a capacidade de adaptação que nós temos.

De onde saiu essa reflexão? Nessa semana comecei seguir uma dieta para melhorar minha ingestão de nutrientes e também tentar descobrir os alimentos que mais irritam o meu já facilmente irritável intestino (*). Nesses dias, vez ou outra eu me peguei comentando, super animada, com as pessoas a minha volta sobre a minha nova dieta e trocando ideias sobre o meu atual estado e minha alimentação com uma tranquilidade que eu jamais poderia imaginar que teria um dia.

Há quase 10 meses, quando levei minha primeira marmita para o escritório porque eu estava passando mal com simplesmente T-U-D-O e mal conseguia almoçar uma batatinha pequena cozida só na água e sal e uns quatro cubinhos de peito de frango também só com sal, eu tinha vontade de me esconder em um buraco para almoçar: esperava não ter ninguém perto do microondas para esquentar o almoço e comia tudo rapidinho torcendo para ninguém ver. Eu tinha vergonha de levar minha marmita, tinha vergonha de explicar porque eu não comia no restaurante da empresa como todo mundo, e principalmente de responder a temida pergunta: “Mas você se sente mal como?” Ah, nessa hora como eu queria que minhas reações fossem dores de cabeça, coceiras ou até ficar verde fluorescente! Não porque sejam sintomas menos incômodos, mas com certeza seria menos embaraçoso responder. Como não é o meu caso, eu me limitava a dizer alguma coisa como “é, minha barriga fica meio estranha” e ainda assim provavelmente com tanta vergonha que as pessoas só deviam escutar algo como “hum hum hum meio estranha ”.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Enzima Lactase


Vocês sabiam que existe um jeitinho de tentar driblar a intolerância à lactose e consumir o "mardito" leite e seus derivados de vez em quando sem sentir as terríveis consequências de um açúcar mal digerido?

A lactose, que é o açúcar do leite, é um carboidrato composto de outros dois carboidratos mais simples: a glicose e a galactose e para ser digerida adequadamente precisa ser quebrada nesses 2 componentes. 

A lactase é a responsável por realizar esse trabalho. Essa enzima é naturalmente produzida pelo nosso organismo, mas em alguns casos a capacidade de produção é limitada ou até inexistente e isso é o que torna a pessoa intolerante à lactose.

O pequeno truque então se chama enzima lactase! 

Atualmente a enzima é vendida no mercado em forma de comprimidos/cápsulas ou pó (em sachês). Para suprir a deficiência na produção da lactase, os intolerantes podem usar esse suplemento de duas formas:

domingo, 14 de setembro de 2014

Iogurte Zero Lactose: Opções no Mercado

Oi Pessoal,

Tenho visto tantas opções de iogurtes sem lactose nos mercados ultimamente (yipeee!) que hoje eu resolvi fazer um resumão daqueles que eu conheço e já provei, com a minha opinião sobre cada um. Os produtos que vou colocar aqui são feitos a partir de leite animal e acrescidos da enzima lactase para se tornarem zero lactose, portanto é importante lembrar que são voltados para o público intolerante e nenhum deles é indicado para quem é alérgico à proteína do leite, viu!

Se você ainda tem dúvidas sobre a diferença entre a intolerância à lactose (IL) e a alergia à proteína do leite de vaca (APLV), aproveita e dá uma olhadinha nesse post para ficar por dentro.


Danúbio

Iogurtes Danúbio Sem Lactose
A marca oferece iogurtes zero lactose em embalagens de 110g nas versões integral, morango e physalis. O integral  não é adoçado mas os outros dois já tem adição de açúcar.
Eu gostei muito do integral e morango, já o physalis achei bom mas meio sem graça, não tem muito o sabor da fruta.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Pasta de Cottage (sem Lactose) com Tomate Seco

Minha Gente,

Estou sumida do blog, mas tem um motivo para isso: minha vida está uma correria só! Já há algum tempinho eu estou passando as semanas "morando" em hotel (pelo menos é um apart-hotel, com 2 bocas de fogão e um microondas para salvar minha vida), porque estou trabalhando em um projeto fora da minha cidade. Nos finais de semana, eu normalmente volto para a minha casa ou vou visitar meus pais, que moram mais perto de onde estou trabalhando agora do que da minha casa de verdade, e aproveito para preparar algumas coisinhas para comer durante a semana. 

Porém nos últimos finais de semana eu viajei para outros lugares diferentes (fato do qual eu não vou reclamar nem um pouco!) então acabei não cozinhando nada e ainda consumi mais biscoitos, chocolates e demais industrializados do que eu gostaria já que esses itens são fáceis de carregar na bolsa e são uma salvação na hora da fome em viagens.

Resultado: essa semana não tem mais como fugir da cozinha! (...Oba!!!) Maaaas, preciso fazer coisas práticas, na improvisação e reaproveitando os ingredientes, porque os utensílios são limitados e os produtos perecíveis comprados tem que ser consumidos até o check-out já que jogar comida fora é maldade demais.

Estou quase dominando a arte de fazer comidas para minha marmita de almoço usando uma panela só, afinal almoçar em restaurante de obra já é dureza normalmente e ainda com restrição alimentar, não rola mesmo! Mas essas dicas de sobrevivência eu deixo para outro dia porque hoje eu vim trazer esse patê que foi feito na correria, mas ficou tão bom que achei digno de colocar no blog.

É muito fácil mesmo, só não é indicado para quem tem alergia a proteína do leite já que usa o queijo cottage com adição da enzima lactase, o que faz que ele se torne zero lactose, mas não elimina as proteínas.

Patê de Cottage sem Lactose com Tomate Seco