Analytics

sábado, 31 de maio de 2014

Onde Comprar Produtos (Belo Horizonte - MG)

Como eu falei no post anterior, para manter a linha na alimentação, é muito importante saber onde comprar produtos "amigáveis". Então, eu já coloquei as lojas onde compro meus produtos em Vitória, e agora é a vez de BH! 

Em um outro dia, com mais calma, eu explico minha situação de ficar entre lá e cá e algumas vantagens que isso tem me proporcionado. Por hoje, digo apenas que estou feliz de estar na minha casinha depois de quase 2 meses sem vê-la! =)

E parando de enrolação da minha vida, vamos à lista porque o que interessa é saber onde ir!






domingo, 25 de maio de 2014

Onde Comprar Produtos (Vitória-ES)

Uma coisa importantíssima para manter a linha na restrição alimentar é saber onde encontrar alguns produtos "amigáveis". Afinal, por mais que haja disposição para colocar a mão na massa e fazer as coisas em casa, nem sempre isso é possível e em algumas situações, um produto industrializado, bem embalado e que a gente sabe que não vai estragar no meio do caminho é a melhor opção. 

E também, mesmo para colocar a mão na massa, às vezes precisamos de alguns ingredientes especiais e não tão fáceis de encontrar.

Por isso, fiz uma listinha dos lugares onde tenho comprado meus produtos, em Vitória-ES, e logo em seguida vou colocar onde compro em Belo Horizonte-MG (é, por enquanto estou entre lá e cá). 





Eu não sou de ir muito longe para comprar as coisas, então as lojas que costumo frequentar estão concentradas nas mesmas regiões. Quem tiver mais sugestões, em outros bairros e outras cidades, fique à vontade para registrá-las nos comentários.

domingo, 18 de maio de 2014

A Doença Celíaca

Gente, eu sei que o blog é "Sem Lactose, Com Alegria", mas como hoje (18 de Maio) é o Dia Internacional do Celíaco, eu quis fazer esse post para ajudar a divulgar o que é a Doença Celíaca e os cuidados necessários, porque a maioria das pessoas não tem muito conhecimento sobre ela, assim como eu praticamente não tinha ideia do que era até algum tempo atrás quando comecei a acompanhar alguns fóruns devido a ter reduzido o glúten da minha dieta.




Eu também não tenho um conhecimento profundo e minha intenção principal é divulgar mesmo, por isso não vou me arriscar escrever por minha conta e acabar falando besteira. Os 3 itens abaixo são copiados e colados (na cara dura mesmo) do site da FENACELBRA, que é a Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil. Só uma coisa que eu queria ressaltar já de início: o celíaco não pode consumir nada que contenha glúten ou traços dele!

A divulgação é importante para que as pessoas à volta do celíaco (e ele mesmo) entendam suas restrições e necessidade de informações confiáveis. Um simples rótulo incorreto, um amigo bem intencionado mas sem conhecimento da doença, do que contém glúten ou da contaminação cruzada ou um ato displicente de um restaurante, por exemplo, podem causar bastante estrago. Além disso, quem tem qualquer restrição alimentar sabe que as mudanças não acontecem apenas no que comemos, mas afeta toda a rotina e os relacionamentos, seja na família, com amigos, no trabalho, etc. Então quanto mais conhecimento e sensibilidade as pessoas tiverem, melhor será a qualidade de vida do celíaco.


Sobre a Doença Celíaca

É uma doença autoimune, que afeta o intestino delgado interferindo diretamente na absorção de nutrientes essenciais ao organismo como carboidratos, gorduras, proteínas, vitaminas, sais minerais e água. Caracteriza-se pela intolerância permanente ao glúten em pessoas geneticamente predispostas. O único tratamento é a dieta isenta de glúten por toda a vida. Caso uma pessoa com doença celíaca consuma alimentos com glúten ou traços de glúten, isso vai provocar uma reação imunológica no intestino delgado, uma inflamação crônica que impede a absorção dos nutrientes. A doença celíaca pode se manifestar em crianças, adultos e idosos. Estudos internacionais apontam que 1% da população mundial é celíaca. Na última década aumentou no Brasil a consciência sobre a doença celíaca. Afeta em torno de 2 milhões de pessoas no Brasil, mas a maioria dessas pessoas ainda estão sem diagnóstico.


Sintomas



A pessoa pode apresentar apenas um sintoma ou um conjunto deles:



• Diarreia crônica
• Prisão de ventre crônica
• Distensão abdominal
• Vômitos
• Dor abdominal
• Depressão
• Desnutrição com déficit de crescimento
• Anemia ferropriva não curável
• Emagrecimento e falta de apetite
• Baixa estatura
• Irritabilidade
• Osteoporose
• Mancha nos dentes
• Esterilidade
• Abortos de repetição
• Doenças neurológicas 



Tratamento

O único tratamento é uma alimentação sem glúten por toda a vida. A pessoa que tem a doença celíaca nunca poderá consumir alimentos que contenham trigo, aveia, centeio, cevada e malte ou os seus derivados (farinha de trigo, pão, farinha de rosca, macarrão, bolachas, biscoitos, bolos e outros). A doença celíaca pode levar à morte se não for tratada. 



quinta-feira, 15 de maio de 2014

Wasabi e Lactose

Esses dias alguém comentou no grupo "Viva Sem Lactose" para ter cuidado com o wasabi. Não lembro qual era o tópico, só me lembro que fiquei surpresa porque para mim o wasabi era só uma raiz e não tinha nada de lactose. Até perguntei se tinha mas não tive resposta e resolvi fazer uma busca para descobrir. Encontrei pelo caminho muita informação interessante sobre o que é o wasabi e finalmente cheguei na parte de lactose.

O que acontece, de fato, é que o wasabi "original" não tem mesmo lactose. PORÉM, o wasabi "original" também cresce apenas em condições muito específicas, como citado pela chef Mari Hirata nessa reportagem, "com água de montanha corrente e fresca, nunca acima de 5°" e não bastasse isso, ainda perde seu sabor e ardor alguns minutos após ser ralado. Daí já dá para ter uma ideia de que achar wasabi de verdade nos restaurantes japoneses por aí não deve ser tarefa fácil (para não dizer que é impossível).

Wasabi de verdade. Prazer!


Mas então o que é aquela coisinha verde que vem no prato de sushi? Bom, de acordo com a Cookipedia, é comum que os "wasabi" industrializados, em pó ou em pasta, sejam uma mistura de rábano-picante (ou raiz-forte, que é diferente de wasabi de verdade) e semente de mostarda com corante verde. Embora alguns contenham o wasabi "original" em sua composição, ainda assim adicionam esses ingredientes para dar a sensação de queimação, que o wasabi perde em algum tempo de contato com o ar.

Ainda não entendi o que a lactose tem a ver com tudo isso...

É que vários "wasabi" industrializados contém também lactose em sua composição para facilitar a manipulação. E como o industrializado é provavelmente o que encontramos nos restaurantes, é bom lembrar que aquela bolinha verde no canto do prato pode conter lactose.


E quem diria que aquela coisinha verde pode ter lactose?

Aqui vale uma ressalva: a quantidade de "wasabi" que a maioria das pessoas consome em uma refeição de comida japonesa costuma ser bem pequena, então é possível que não vá afetar que tem uma intolerância moderada, mas vale saber que pode ter sim lactose escondida ali e cada um tomar as precauções de acordo com seu caso.

Eu confesso que na minha época de intolerância "amigável" eu sempre comi e nunca me fez mal e atualmente eu estou evitando qualquer coisa mais forte (como o wasabi ou pimenta), quer tenha lactose ou não, para me recuperar das crises recentes.

Espero que a informação seja útil! =)


Fontes:
http://www.cookipedia.co.uk/recipes_wiki/Wasabi
http://www.horadacomida.com.br/wasabi-nao-e-raiz-forte-diz-mari-hirata/
http://www.anastrophe.com/sushi.html
http://aredacao.com.br/guia/12045/comida-japonesa-os-principais-beneficios-e-restricoes-a-dieta

quarta-feira, 14 de maio de 2014

"O" Pudim Sem Leite

Minha gente, essa não é a receita de um pudim...é a receita para fazer "O" Pudim! Preciso dizer que descobri-la foi uma revolução na minha vida sem lactose! Ele é incrivelmente delicioso e não deve nada em sabor e textura aos pudins de leite, aliás, é muito mais gostoso do que muito pudim de leite por aí.

Quando eu vi essa coisa maravilhosa no blog "O Diário de Receitas Sem Lactose" eu não resisti, tive que testar e...foi só alegria! Fiquei tão empolgada que pela a primeira vez eu animei mandar para um blog uma foto de algo que eu tinha feito.
Resultado: a receita já virou figurinha carimbada na minha cozinha!

Dessa vez fiz para o aniversário do meu pai, que quase não come doce mas gosta muito de pudim. Juro que fiz para ele e que a vontade insana de comer pudim que habitava meu corpo era apenas uma coincidência! =P

É capaz de muita gente já ter visto a receita no "Diário" ou talvez em outro site, mas se por acaso você não viu ou se viu e não fez, não perca mais tempo! Inclusive vou parar de enrolar e colocar logo a receita porque não vale a pena ficar lendo mais nada, vale a pena parar tudo e ir para a cozinha fazer esse pudim, que é fácil de preparar e delicioso!

Pudim Sem Leite

Pudim versão 2.0

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Bolo Grani Amici e Iogurte Carnielli

Estou meio na correria nesses últimos dias e não estou conseguindo testar muitas receitas (o final de semana que me aguarde!), mas isso não quer dizer que falta lanchinho sem lactose e sem glúten por aqui.

O bolo de frutas e amêndoas da marca Grani Amici e o iogurte de goiaba da marca Carnielli fizeram a alegria da minha pancinha!

Lanchinho sem lactose e sem glúten

Os iogurtes da Carnielli são ótimos! Eu já provei de morango e esse de goiaba, que é fenomenal e meu preferido por enquanto, e ainda tem o de ameixa que também parece gostoso mas não posso afirmar porque ainda não provei. Eu gostei tanto deles que até compartilhei a indicação no "O Diário de Receitas Sem Lactose" há algum tempo. Realmente vale a pena e o preço também é bom: R$4,90 (mais ou menos) a garrafinha de 500g. Aqui no ES é bem fácil de achar, vários supermercados e padarias vendem. Em BH, infelizmente, eu não encontro e não sei dizer exatamente para quais estados o produto é distribuído.
O iogurte é feito com leite e é adicionada a enzima lactase, então a dica não vale para quem é alérgico à proteína do leite.

Iogurtes Carnielli (Morango e Goiaba)

O bolo de frutas e amêndoas da Grani Amici eu provei no stand da marca no Expo Sem Glúten há algumas semanas e achei tão fofinho e úmido que voltei para casa com meu próprio exemplar na mala. O sabor do bolinho é muito bom, tem um toque meio alcoólico (???)...não sei direito como descrever, mas lembra aqueles bolinhos industrializados que levam rum na massa e ainda tem uvas passas no meio, o que sempre me deixa feliz! =) 
Eu comprei no stand e agora tenho que descobrir onde vende dele aqui perto de mim.


Bolo Grani Amici

=)

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Bolo de Banana, Passas e Nozes

Ontem minha prima me enviou uma receita de bolo de banana sem leite e sem glúten (essa aqui: http://www.curapelanatureza.com.br/2013/11/bolo-que-nao-engorda-e-audavel-sem.html) e fiquei com muita vontade de testar, mas em pleno feriado, não foi possível comprar tudo que precisava para fazê-la. Lembrei de uma receita de bolo de banana que tinha visto no Panelaterapia há algum tempo, mas também não tinha tudo que precisava. As duas serviram de inspiração e fui adaptando com o que tinha em casa. No fim das contas, fico feliz em dizer que saiu um bolo muito gostoso. Foi super aprovado aqui em casa.

A textura fica entre um bolo e um pão e não é muito doce (se as bananas estiverem bem maduras creio que possa ser feito sem acrescentar açúcar), gostei bastante do resultado e espero que vocês gostem também.

Só pensei nisso depois que já estava pronto, mas também deve ficar bom com um pouco de canela na massa.

Bolo de Banana, Passas e Nozes




Ingredientes:
4 bananas maduras (banana prata com tamanho médio/pequeno)
3 ovos
1/2 xícara de nozes picadas
1 xícara de passas (1/2 picadas e 1/2 inteiras)
1/3 xícara de óleo
1/3 xícara de açúcar
1 1/2 colher de sopa de fermento em pó
1 e 1/4 xícara de farinha de arroz 
1/3 xícara de amido de milho

Modo de fazer:
Picar 1/2 xícara de passas e 1/2 xícara de nozes e reservar
Bater no liquidificador as bananas, os ovos, o óleo, a 1/2 xícara de passas que não foram picadas e o açúcar.
Transferir essa mistura para uma tigela e adicionar a farinha de arroz, amido de milho, as nozes e passas picadas. Por fim, adicionar o fermento e colocar em uma forma untada e enfarinhada (usei a becel da tampa azul e farinha de arroz).
Levar ao forno pré-aquecido a cerca de 180°C e assar até que o teste do palito indique que está bom. Aqui em casa demorou 35 minutos mas pode variar bastante.

=)