sábado, 14 de abril de 2018

Simplificando-me: 15 dias

Olá Olá,

--------------------------------------------------------
Nº de dias no desafio Simplificando-me: 15
Nº de itens que saíram de casa: 26
Nº de itens preparados para sair de casa: 12
Animação com o desafio: 100%
$ extra: R$0,00
---------------------------------------------------------

Os primeiros 15 dias do simplificando-me foram super tranquilos, até mais do que eu esperava. Incrivelmente, só de não entrar em lojas online (afinal se não vou comprar, não tem nem sentido gastar tempo olhando, né) meu dia rendeu bem mais do que rendia antes.

Eu já venho tentando ser uma consumidora razoavelmente consciente há algum tempo e mesmo assim eu percebi uma grande mudança no meu comportamento com a proposta de não comprar NADA.



Antes do 'simplificando-me', por mais que a ideia fosse comprar pouco, ainda assim o fato de me permitir comprar me "dava o direito" de vagar por lojas online pesquisando itens interessantes. Agora eu simplesmente não tenho mais o que procurar, então não preciso nem me preocupar em navegar pelas páginas, em analisar se eu realmente gostei de um determinado item ou colocá-lo no carrinho, calcular o frete e decidir o que fazer com ele. Isso criou TEMPO na minha vida! 😍Tempo que aparentemente eu gastava sem nem mesmo perceber...15 minutos dando uma olhadinha aqui, mais 20 pesquisando se não tem mais barato em outras lojas, 5 navegando no link da loja que chegou por e-mail, e lá se foram muitos minutos precisos. Logo de cara, já vi uma vantagem inesperada em não fazer compras!

Em lojas físicas eu já estava indo pouco, até pela falta de tempo que eu tenho tanto reclamado. Ainda assim nesses últimos 15 dias fiz um esforço extra para não ficar olhando as vitrines ao longo do meu caminho. Afinal, sabe aquela máxima de que "o que os olhos não vêem, o coração não sente"? Descobri que super se aplica nesse caso...

Para que exatamente eu preciso saber que foi lançado um liquidificador novo que além de bater suco, também faz café e dá piruetas, se o meu liquidificador atual funciona perfeitamente e se até o momento imediatamente anterior ao meu olhar cruzar com essa 'maravilha do mundo moderno' eu nem mesmo tinha sentido falta de um liquidificador que dá piruetas? O mesmo está valendo para as roupas...se eu não quero comprar um casaco novo (porque no meu armário tem vários que eu adoro, ainda em bom estado) o que de bom pode sair de ficar olhando a coleção nova da loja do shopping, né? Seria como alguém que está fazendo dieta para emagrecer entrar por livre e espontânea vontade em uma doceria e ficar olhando os bolos e tortas. Não tem necessidade de dificultar a vida e nem de aumentar a chance de sair da linha.

Já no desafio de não me inscrever em novos cursos, eu senti algo muito engraçado. Me dei conta de que a tecnologia é ótima, mas pode tornar mais difícil se desapegar de velhos hábitos. Acho que todo mundo já percebeu que hoje em dia se você procura um sapato na internet, em 5 minutos sua caixa de e-mail, seu facebook e seu instagram estarão cheios de anúncios de sapatos similares. Como eu sempre estava dando uma olhadinha e me inscrevendo em cursos e workshops de culinária, de construção e reformas, de produtividade pessoal, de costura, de jardinagem e do que mais você imaginar... pense na quantidade de anúncios de novos cursos que eu vejo sem nem mesmo procurar! Pois é, passar por eles sem clicar no link para saber melhor do que se trata ou para descobrir se é grátis ou pago, ou ainda pior, ver que é grátis e ainda assim não dar atenção está sendo um desafio muito maior do que não comprar produtos físicos! A parte boa é que nos últimos 15 dias eu também não gastei tempo olhando as informações desses cursos nem decidindo se eu queria fazê-los ou não.

Se foi só isso ou se teve também uma parcela de coincidência eu não sei, mas nas últimas 2 semanas eu consegui dormir um tiquinho mais cedo do que o meu normal, acordei com mais facilidade (ou menos enrolação) e tenho deixado menos pendências para resolver no dia seguinte. Não foi nada muito expressivo, mas foi o suficiente para me animar. Realmente parece que meu tempo esticou um pouco. =D


Na parte financeira, embora esse não seja o foco principal,  ainda não senti muita diferença porque costumo parcelar minhas compras (a não ser que tenha desconto à vista =D), então o cartão de crédito sempre demora uns meses para refletir qualquer mudança de padrão de consumo, mas acredito que em 3 ou 4 meses vou conseguir perceber melhor.

No quesito "destralhar" eu estou mais lenta do que planejava e também me dei conta de que estou um pouco mais apegada a algumas coisa do que eu gostaria de estar. Ainda assim, preferi não me pressionar a fazer além do que deu na telha de fazer, já que o objetivo não é me desfazer de um número específico de itens e sim me sentir bem com o que ficar. Eu passei pelo meu armário de roupas de uso diário, pelas roupas de frio e pelos meus cintos. Separei vários itens para doação, alguns para venda, alguns para fazer consertos e outros para devolver - coisas que peguei emprestadas em algum momento e que, na cara-de-pau mesmo, nunca tinha devolvido. 

Dentre as 4 categorias, as doações e devoluções já foram devidamente encaminhadas e os consertos serão levados para a costureira na próxima semana. Os itens para venda, apesar de já retirados do armário, ainda estão na minha casa. Algumas vendas eu anunciei na minha lojinha do Enjoei (que já tinha sido criada no meu "destralhe" anterior e funcionou bem), mas outros vou levar para Desapegue, uma loja/brechó daqui de Vitória com uma proposta bem legal: eles fazem uma curadoria e expõem as peças e o valor da venda, quando acontece, é dividido entre o dono e a loja. Penso que se o produto não precisar viajar muito e nem ser embalado para chegar ao novo dono, é um tratamento mais sustentável ao meu desapego.

Não considero que economizei algum dim-dim nesses primeiros 15 dias porque em nenhum momento senti que eu estava na iminência de comprar algo e só desisti por conta do Simplificando-me. Talvez nos próximos dias isso aconteça. Veremos. O que percebi é que há aproximadamente uma semana e meia eu estou andando sem nenhum dinheiro na minha carteira e ainda não senti necessidade de sacar. 

E você, como acha que se sentiria diminuindo seus pertences ou deixando para traz velhos hábitos de consumo? 

;)

terça-feira, 10 de abril de 2018

Sensilatte e Porque eu uso Lactase

Olá intolerantes!

Hoje vou dar boas notícias e em seguida aproveitar para falar de um assunto que muita gente tem dúvida: se vale a pena usar enzima lactase para auxiliar na digestão da lactose.

Eu já escrevi um outro post sobre essa danadinha, falando mais detalhes de como funciona (você pode ler aqui). Então, sabendo dos detalhes, vamos falar primeiro das boas notícias: TEM ENZIMA NOVA NO MERCADO!!! =D =D =D



Eu recebi um kit da Sensilatte, do laboratório Pratti Donaduzzi, e fiz o enorme sacrifício de comer uns brigadeiros para testá-la =P. Brincadeiras à parte, eu até demorei um pouquinho para testar porque realmente não como lactose com muita frequência, mas o dia chegou e aproveitei para fazer o teste.

Minhas impressões: gostei muito, muito mesmo! É a primeira enzima que eu testo que dissolve na boca, não precisa engolir o comprimido e nem mastigar...só colocar na língua e deixar a saliva trabalhar por uns segundos. Eu até tenho uma certa facilidade para tomar comprimidos, mesmo sem água, mas confesso que às vezes acontece de "entalar" e não é uma sensação agradável. Essa opção de dissolver na boca resolveu perfeitamente a questão e para quem tem mais dificuldade de engolir comprimidos, mesmo com água, esse formato com certeza vai ser ótimo!

A caixinha! Fiquei feliz que não veio embalada em nenhum plástico! =)

Tem duas opções de sabor: baunilha e sem sabor. O 'sabor baunilha' é bem leve, não achei enjoativo e some rápido depois da pastilha dissolver. Eu usei com doces e antes de comer alguns salgadinhos e achei super tranquilo, mas acho que se fosse para tomar depois de já ter começado a comer algo salgado poderia ser um pouco incômodo. O 'sem sabor' foi meu favorito, realmente não deixou nenhum sabor residual: conforme vai dissolvendo parece que você colocou um pouquinho de farinha na boca, até que some por completo. 

Outras coisas que achei bem legais na Sensilatte:
- Os envelopes são picotados, então dá para separá-los e colocar na bolsa a quantidade desejada, o que evita aquele pacote que fica todo amassado no fundo da bolsa porque não foi usado. 
- Indústria brasileira! \o/
- O kit veio embalado sem plástico.

Quanto ao funcionamento: deu certo! Tomei o Sensilatte, comi um bolo que tinha mais recheio de brigadeiro do que bolo e nada aconteceu na minha barriga. Tive o mesmo resultado quando tomei a enzima e comi dois brigadeiros e depois quando usei para comer alguns salgadinhos de festa. Considero testes de sucesso, então para mim, está oficialmente aprovada!

Aí vem então uma questão que muita gente me pergunta: mas se eu sou intolerante, é correto usar lactase para continuar consumindo a lactose?

Bom, antes de falar sobre a enzima mesmo, preciso fazer uma breve interrupção (mais ou menos pertinente): eu confesso que tenho evitado receber qualquer coisa ultimamente, pois além de ser intolerante, estou em um processo de reduzir meu lixo e as coisas que eu tenho em casa (mais sobre esse assunto aqui), mas no caso da enzima, não apenas eu aceitei como fiquei bem feliz em receber por um motivo simples: eu USO enzima! Por mais que medicamentos gerem lixo, nesse caso é algo que eu realmente uso e mais cedo ou mais tarde eu iria comprar, pois tem real utilidade para mim. 

Bom, como eu falei ali em cima, eu uso enzima sim esporadicamente, mas isso é uma questão pessoal e não quer dizer que todo mundo é igual, ok! É super importante ouvir, além de opiniões de outras pessoa, o seu próprio corpo, pois ele vai ser o seu melhor indicador.

EU uso lactase porque eu me dou bem com ela. Quando eu uso na dose correta, ela funciona perfeitamente para mim e eu consigo consumir lactose sem nenhum desconforto. Meu corpo me indica que é OK usar esporadicamente, como faço. Conheço vários outros intolerantes que também usam sem problemas, assim como conheço alguns que passam mal ainda assim. Não sei ainda a ciência por trás de reações diferentes, mas é o que parece acontecer na prática.

Mesmo com a enzima funcionando pra mim, eu não tenho a mesma alimentação que eu tinha antes de descobrir a intolerância, só usando lactase a cada mordida que dou. Particularmente, prefiro no meu dia-a-dia consumir alimentos que não contenham lácteos (mesmo os que já vem enzimados) e usar a enzima só esporadicamente, em situações especiais e quando estou me sentindo bem. Acho até legal porque quando eu uso a enzima em algum evento (um aniversário ou algo assim) as pessoas mais próximas e que me conhecem melhor até se sentem importantes porque eu escolhi usá-la para comer algo que elas prepararam.

Basicamente eu escolho usar a enzima em situações em que considero o ganho social ou de satisfação individual maiores do que o incômodo de ter que usar um suplemento e o risco, mesmo pequeno, de passar mal. Quando eu estava no auge da minha SII, por exemplo, mesmo usando enzima eu passava mal (nessa época eu passava mal até com água, gente), então para mim nenhum benefício social ou de prazer instantâneo valia o risco de ter os temidos sintomas, e assim eu nunca comia alimentos com leite (e nem com outros ingredientes que me faziam mal na época) mesmo que isso significasse ficar com fome durante longos períodos. Atualmente para consumir um pouco de leite eu só preciso carregar comigo um comprimido e ficar de olho na quantidade para não errar a dose, então eu acho que algumas situações valem a pena. É sempre uma questão de custo x benefício e só a própria pessoa pode dizer o custo desse uso em seu corpo e o benefício/prazer que consumo vai trazer.

Como é um assunto que muita gente questiona, em outro post vou detalhar melhor as situações que eu costumo usar, mas sempre vale o bom senso e moderação!

=)

quinta-feira, 29 de março de 2018

Simplificando-me


Olá Olá!


Estou animada de anunciar novidades! É tempo de renovação e eu definitivamente estou precisando de uma.

Ultimamente senti uma necessidade pessoal de me reencontrar, restabelecer minhas prioridades e, inspirada em uma leitura recente*, resolvi me propor um desafio! Antes de explicar mais detalhes, quero apenas falar um pouco dos motivos que me levaram até essa decisão.


Eu tenho trabalhado bastante, comecei vários projetos pessoais (tipo váááááááários mesmo) e estou estudando sobre uma série de assuntos, tanto relacionados à minha vida profissional quanto aos meus interesses e desejos pessoais...



Nos últimos tempos tenho tentado organizar meu ambiente físico, minha rotina, ser mais produtiva, viver de forma mais sustentável, ter hábitos mais saudáveis, dar mais atenção às pessoas que eu amo e ainda várias outras cositas menores. E sim, tudo isso é ótimo, fantástico, maravilhoso e pesquisar como fazer essas coisas e implantá-las no meu dia-a-dia está transformando meus pensamentos de uma forma muito interessante... mas eu confesso que senti o peso do tempo demandado, principalmente com todas essa mudanças pessoais acontecendo junto com vários projetos profissionais provenientes de 2 trabalhos diferentes.  

Com tudo isso acontecendo ao mesmo tempo e ainda muitas ideias na minha cabeça que eu não consigo colocar em prática por faltar tempo, eu estou sentindo que nessa vontade de abraçar o mundo, eu me perdi... tentei fazer e mudar tudo ao mesmo tempo e comecei a realmente me sentir perdida, sem saber meu real propósito com cada um desses projetos que comecei ou quero começar, com meu(s) trabalho(s), com as minhas atitudes... basicamente com tudo que eu faço. 

Eu percebo meu tempo totalmente ocupado, meus pensamentos sempre preocupados e o cansaço físico, mas com frequência me sinto desanimada por não atingir os resultados que eu gostaria em todas as frentes que eu decidi desenvolver. E me parece que a cada vez que tento dar mais atenção a uma dessas frentes porque ela está desandando, me sinto em débito com outra que deixei de lado. É como se o tempo todo eu me esforçasse muito para chegar em algum lugar, mas com a minha "bússola interna" quebrada, cada hora apontando para um norte diferente. Assim, tenho a impressão de que não consigo nem nunca vou conseguir chegar a lugar algum. 

A questão mais importante de tudo isso é que até agora a cada vez que eu me senti perdida, eu tentei achar as respostas no "mais", como eu fiz a minha vida toda. Afinal, se algo não está funcionando, com certeza é porque falta acrescentar alguma peça, não é mesmo?

Se algo não está dando certo: que tal começar outra ideia do zero? Se eu não sei muito bem como fazer algo: preciso fazer um curso, comprar um livro ou me inscrever no workshop sobre o assunto. Se eu preciso melhorar minha organização: devo comprar uma agenda nova, um calendário e baixar aquele aplicativo legal que está todo mundo comentando. Se eu quero me sentir mais bonita: uma roupa nova, aquele sapato da moda ou uma maquiagem legal devem resolver. E por aí vai... 


Mente cheia ou Mente consciente? - Fonte: mallorybecker.com

Claro que tudo isso é muito válido e, inclusive, importantíssimo para a gente mudar um pouco, aprender e evoluir... MAS acho que existe uma dose certa, e eu tenho a leve impressão de que eu ultrapassei essa dose.

Então a partir de agora vou tentar o contrário: com o intuito de deixar para trás o peso que está me deixando lenta e tornar minha vida mais leve, simples e prática, lanço a mim mesma o desafio SIMPLIFICANDO-ME!

A ideia é desapegar e deixar partir tudo que não me serve mais -- físico, mental e emocional -- e assim criar tempo e espaço para descobrir o que realmente é importante para a "Beatriz atual" (quem quer que seja essa pessoa). Uma limpeza geral, sabe!

Como a solução não será o "mais", já adianto que vou me comprometer a fazer poucas coisas. A ideia é, na verdade, me comprometer a NÃO FAZER algumas coisas e assim conseguir desacelerar, curtir um pouco o que eu já alcancei e dar um tempo para ver os frutos das ações que eu já fiz antes de dar novos passos. Quem sabe assim poderei simplesmente pensar um pouco e colocar as ideias no lugar.

Então vamos lá...

Ao longo dos próximos 6 meses vou me desfazer de alguns itens pessoais, de casa e arquivos eletrônicos - minha caixa de e-mail é um caos! - e restringir minhas compras e participação em cursos. Esse último item pode parecer estranho, mas é super importante pra mim, pois tenho uma inclinação a me inscrever em várias aulas e cursos de coisas aleatórias que parecem legais (algumas muito úteis, outras nem tanto) e depois me sentir culpada porque não arrumo tempo para fazer todas as aulas e muito menos para colocar em prática o que aprendi. 

Eu já passei por um processo de "destralhar" meu armário e a casa há quase 1 ano, quando li o livro "A Mágica da Organização", da Marie Kondo, e depois disso já passei a consumir bem menos também, mas tenho certeza que ainda tem muitos itens que podem ir embora e simplificar minha vida. Então, assim será.


A restrição de compras e inscrição em novas atividades é para que eu possa observar e selecionar com cautela o que vai entrar na minha vida. O objetivo é não cair na armadilha de ocupar o espaço/tempo recém liberado com novas "tralhas". 

E aí, vocês me ajudam a me manter na linha nesses 6 meses? Podem acompanhar e cobrar mudanças por aqui, ok! =)

Mas peraí, como isso vai funcionar? 

Bom, já que a ideia é simplificar, as regras serão diretas e claras:

REGRAS DO "DESTRALHAR"

Até 30 de setembro/2018 eu preciso passar por todos os cômodos, armários, estantes, gavetas e etc... da minha casa e por meus arquivos eletrônicos. Sei que tenho várias coisas na casa da minha mãe também, mas nesse momento não vou focar nesses itens (sorry mom!)

Não vou definir ordem nem quantidade para me desfazer das coisas, só preciso me sentir confortável e feliz com o que ficar.

Vou pesquisar opções de doação / descarte para que eu possa dar um destino adequado aos itens que não vão me pertencer mais.

REGRAS DA RESTRIÇÃO DE COMPRAS E ATIVIDADES
De hoje até 30/setembro

1) O que eu não posso comprar:
- Roupas, sapatos, bolsas e acessórios;
- Móveis e utensílios para casa;
- Roupas de cama, toalhas e louças;
- Eletrônicos;
- Livros físicos e revistas;
- Livros digitais (mais do que 2 ao longo dos 6 meses)
- Cadernos, canetas e organizadores para uso pessoal;
- Cursos e workshops online ou presenciais (sério, eu já tenho uns 4 em aberto que ainda nem consegui começar)

2) O que eu posso comprar:
- Consumíveis em geral (alimentos e bebidas, medicamentos, suplementos, etc)
- Produtos de higiene pessoal e cosméticos (ou insumos para produzir meus próprios produtos), desde que sejam reposição de itens que eu já tenho e estão acabando;
- Produtos de limpeza (ou insumos para fazer meus próprios produtos);
- Organizadores para casa (ganchos, pregos, parafusos, caixas, divisórias, etc) e materiais de jardinagem;
- Insumos ou ferramentas de trabalho;
- Livros digitais (para kindle): limitado ao total de 2 ao longo dos 6 meses;
- Presentes para outras pessoas, exceto para o marido (para evitar enganações do tipo "nossa, meu marido precisava tanto de uma batedeira nova!");
- Serviços (corte de cabelo, faxina, podóloga, aulas de yoga, academia, etc);
- Reposição de qualquer item da lista (1), desde que o item estrague/não tenha mais condições de uso;

3)Lista de Exceções:
- 2 conjuntos de talheres portáteis que não sejam de metal: vou precisar para evitar usar descartáveis na minha viagem de férias. Os talheres de metal que carrego comigo atualmente não passarão pela segurança do aeroporto.
- Lembranças de viagem (limitado a 2 itens): vou para um lugar do qual gostaria de trazer algumas pequenas recordações, por isso vou abrir uma exceção, mas limitar a quantidade de itens que posso trazer;
- 1 chapéu: preciso de um chapéu de aba grande para evitar usar muito protetor solar na praia, mas ainda não consegui encontrar um que tenha me encantado. Vou procurar, e quando eu achar, estará liberado.


Voltarei para contar como isso vai se desenrolar...

E aí, alguém mais anima de simplificar a vida?
;) ;) ;)



*O livro que inspirou esse desafio é o "The Year of Less", de Cait Flanders. Em uma tradução livre, o título é algo como "O Ano do Menos". Ainda nem terminei de ler, mas já me inspirou muito! Não aguentei esperar chegar no final para lançar meu próprio desafio.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Novos Horizontes

Amigos e amigas,

Como vocês podem ver, há tempos que eu não escrevo nada por aqui. No instagram, eu continuo fazendo algumas atualizações, mas ainda assim muito menos do que eu acho que esse blog merece.

Minha ausência se deve basicamente a muitas mudanças que aconteceram comigo e que eu não soube refletir no blog. O Sem Lactose, Com Alegria foi criado para compartilhar receitas, dicas e sentimentos sobre alimentação com restrições (principalmente restrição de lactose), mas as mudanças que as restrições alimentares me trouxeram foram apenas a pontinha do iceberg, o início de muitas mudanças boas na minha vida!

Depois de começar a cozinhar mais em casa, aprender a fazer delícias que antes eu achava que só era possível consumir se comprasse pronto e melhorar muito minha alimentação eu comecei a me interessar muito por outros temas relacionados ao bem-estar individual e do planeta, como uso de produtos de limpeza e cosméticos mais naturais, redução de desperdício (de alimentos e tudo mais), economia de recursos, organização pessoal e mental, consumo consciente, economia circular, e muitas outras coisas que eu comecei a pesquisar, estudar e tentar praticar nos últimos tempos.


Com todas essas mudanças, eu confesso que perdi um pouco o fio da meada do blog (e pra falar a verdade, até da minha vida - mais detalhes sobre isso no próximo post). Afinal, eu ainda cozinho muito em casa, mas minhas refeições se tornaram mais simples e eu não tenho mais muitas receitas elaboradas para compartilhar nem muitos produtos novos que testei, pois meu interesse pelos industrializados quase sumiu...Meus pensamentos mudaram muito e eu não soube muito bem como transformar tudo isso em vida real. Além disso, pesquisar sobre esses assuntos era, e ainda é, como abrir uma porta para um mundo totalmente novo e alternativo pelo qual me apaixonei e quero muito que se torne a realidade do nosso mundo! E assim, com minha cabeça a mil em temas que, a princípio, nada tinham a ver com o blog, o meu querido "Sem Lactose, Com Alegria" (que por muito tempo me deu oportunidade de trocar ideias com tantas pessoas legais) ficou meio totalmente esquecido.

MAS...há poucos dias eu decidi começar a compartilhar um novo momento meu, afinal aqui é a minha casa e escrever (mesmo que ninguém vá ler hehehe) é algo que me deixa tão feliz e me ajuda tanto a organizar meus pensamentos que...bem, eu vou escrever! Quem se interessar pelos assuntos é bem-vindo a contribuir nas discussões e eu ficarei muito feliz em novamente poder trocar ideias e experiências. Quem só quer mesmo receitas também pode ficar a vontade: todas que já foram publicadas continuarão disponíveis e com certeza algumas novas ainda chegarão por aqui.

Ah, como é bom mudar, não é mesmo! Espero que vocês gostem e, assim como eu, curtam muito esse novo momento. Mais uma vez, eu digo: entrem e fiquem a vontade! Aqui vocês vão encontrar de tudo um pouco e às vezes, até nada! =P

;)

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

LacfreeBox

Oi Pessoal,

Quem quer notícia boa para começar a semana? \o/ 
Além da boa notícia, ainda tem presentinho no final do post! =)

Vou contar para vocês minha experiência com uma novidade no mercado que é super prática: a Lacfree Box. Algum dia você já imaginou receber periodicamente, em casa, produtinhos lindos sem lactose ou mesmo totalmente livres de leite? Pois é, isso já é possível, meus amigos.


Os serviços de assinatura mensal tem se popularizado bastante no Brasil ultimamente e a proposta é realmente muito interessante: pagando um valor fixo mensal a pessoa recebe em casa itens selecionados dentro da proposta da sua caixinha (já vi assinatura de comida, vinho, cerveja, livros e até de brinquedos de cachorro =D).  

Já existiam algumas caixinhas mensais legais, mas nenhuma delas garantia que 100% dos alimentos enviados seriam sem lactose (o foco era atender outros públicos), então eu ainda não havia pedido nenhuma, mas recentemente foi criada uma caixinha mágica pensada exatamente nos intolerantes à lactose e alérgicos ao leite, e eu tive o prazer de receber desde a primeira edição. 

Estou no meu terceiro mês de Lacfree Box e é oficial: gostei e facilita muito a vida. Palavra de quem se sentiu num oásis ao receber uma caixinha dessas em meio à uma semana louca de mudança de apartamentos e totalmente sem cozinha para resolver a vida. 

Achei que vem bem recheada e eu observei algumas coisinhas que me deixaram feliz:

- Tem itens prontos para consumir (snacks, biscoitos, chocolates, suco, barrinhas, etc) e também itens que possibilitam que exercitemos nossa criatividade na cozinha, como leite condensado (de soja ou sem lactose), leite de arroz em pó, macarrão sem glúten, etc.

- Vem alguns produtos já bem consolidados no mercado, que fazem sucesso sempre e outros que são novidades. Realmente adorei o mix de empolgação ao ver dentro da caixinha alguns produtos que eu já amo e curiosidade ao querer provar cada item que eu não conhecia ou que já tinha ouvido falar mas não tinha testado ainda.

- Tem itens "gordice" e itens "fit". Eu sou uma pessoa bem flexível no quesito alimentação, então tento comer saudável na maior parte do tempo, mas acho que cometer alguns "pecados" alimentares de vez em quando não faz mal ao corpo, desde que sejam respeitados os limites de intolerâncias/alergias/restrições. Então ver produtos com essas duas pegadas misturados em uma caixinha que, teoricamente, vai durar o mês inteiro faz muito sentido pra mim.

Biscoito de beterraba e o Panetone escondido dentro da caixa
Resumindo, achei o mix de produtos de cada mês bem variado e equilibrado e gostei da constância entre os meses, pois embora mude os sabores e marcas, alguns itens sempre estão presentes como biscoito doce, biscoito salgado, barrinhas, algum doce/sobremesa e alguma bebida. Enfim, dá para planejar (mais ou menos) o uso da caixinha e ao mesmo tempo se surpreender com as novidades. 
Em dezembro teve até panetone sem glúten e sem leite!!! E estava delicioso...conseguem imaginar a alegria da pessoa aqui?!




Outra coisa que gostei muito foi a organização e riqueza de informações. Vem uma lista com todos os produtos que foram entregues e a classificação de cada um em relação a cada tipo de restrição alimentar: indica se contém ou não lactose, leite, glúten, ovos, soja e/ou açúcar. Como eu optei pela caixa sem lactose, há alguns produtos que contém leite, mas é possível pedir também totalmente sem leite e/ou derivados. É um resumão que é útil para conhecer melhor cada produto sem fazer muito esforço nem gastar muito tempo lendo cada rótulo.



Se você gostou da proposta e quer testar a Lacfree Box, mais uma boa notícia: tem promoção para os leitores do blog -- 15% de desconto na primeira caixinha! É só entrar no site e ao assinar usar o código promocional COMALEGRIA.

Alguns produtos que vieram aos longo dos 3 meses (outros eu esqueci de tirar foto antes de comer)

Abraço a todos!
;)


segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Bolo de Banana de Frigideira e "A Volta Dos Que Não Foram" =P

Oi Pessoal!

Depois de muito tempo sem post novo por aqui, estou retornando ao blog! Como a ausência foi longa, acho que a volta merece um post com explicação e receita, né.

Por alguns motivos pessoais, dentre eles o meu casamento (S2), mudança de trabalho e de apartamento eu optei por "congelar" o blog até que eu pudesse voltar a dar a ele a devida atenção. Só coloco "a volta dos que não foram" porque continuei colocando algumas atualizações e receitas no instagram (@semlactosecomalegria), inclusive essa que vos passo agora, e nunca tive intenção de abandonar de vez o blog, foi só um intervalo mesmo...então esse é um retorno de quem nunca se foi de verdade.

O legal é que nesse tempo eu aprendi muitas coisas e mudei, além de trabalho e de casa, de ideias e visões sobre o mundo, mas isso aos poucos eu vou falando aqui no blog. Por ora digo apenas que agora tenho uma cozinha grande, um cachorro em tempo parcial, continuo 100% sem lactose (afinal os resultados de não manter essa regra são sombrios) e voltei a consumir glúten esporadicamente, em pequenas quantidades -- meu corpo está aceitando quando não há excessos, yey! Enfim, é só pra dizer que provavelmente vai aparecer umas receita com glúten por aqui uma vez ou outra, mas não ser preocupem pois vai continuar tendo muita coisa gluten free e lactose nem pensar, viu!

Resumo da ausência concluído, vamos à parte que realmente interessa...o bolo de banana vapt-vupt em porção individual (ou talvez para 2, se não quiser chutar o balde) feito na frigideira. Essa receita é para quando bate aquela vontade de um bolinho delícia, mas reinam a preguiça e o peso na consciência de quem sabe que se fizer um bolo grande vai acabar comendo mais do que deve. 

Bolo de Banana de Frigideira



Ingredientes:
- 1 banana pequena ou média amassada
- 1 ovo
- 2 colheres de sopa de farinha de coco (usei o resíduo do leite de coco depois de secá-lo no forno)
- 2 colheres de sopa de quinoa (pode usar aveia também)
- 1 colher de sopa de goma de tapioca
- 1 colher de chá cheia de fermento químico em pó

Modo de Fazer:
Misture todos os ingredientes com exceção do fermento até que todos estejam bem incorporados. Acrescente o fermento e mexa mais um pouco.
Leve ao fogo bem baixo em um frigideira pequena* levemente untada e tampada. Deixe por aproximadamente 5 minutos, vire e deixe mais uns 3 minutos. O tempo pode variar um pouco dependendo do fogo, mas não tem muito erro...ficou firme o suficiente para virar, pode virar e deixar até o outro lado dourar também.



Fica pouco doce. Quem quiser mais docinho pode acrescentar um pouquinho de açúcar ou adoçante que preferir OU fazer a cobertura de chocolate que vem a seguir e tascar por cima. =D

*Eu uso uma hamburgueira, que são duas frigideiras bem pequeninas (do tamanho de um certinho de um hambúrguer de mesmo) que se acoplam uma na outra, o que facilita para virar, mas pode tranquilamente usar a frigideira tampada.



Cobertura de chocolate



Ingredientes: 

- 1 colher de sopa de cacau em pó
- 1 colher de sopa de açúcar
- 1 colher de sopa de óleo de coco
- 3 colheres de sopa de água

Modo de fazer:
Misturar todos os ingredientes e levar ao fogo em uma frigideira até abrir fervura e engrossar um pouquinho, sempre mexendo para não queimar.

Joga por cima do bolo e se joga em cima dos dois!







Para encerrar, só digo que é muito bom estar de volta por aqui.
=)

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Picolé Panetone

Oi Pessoal!!!

O Natal já está aqui...e o calor também! Então o que acham de sentir o sabor mais famoso do Natal em algo refrescante? Sim, picolé de panetone foi a solução que encontrei para resolver essa questão! Olhem só que fácil é a receita.


Simplificando-me: 15 dias

Olá Olá, -------------------------------------------------------- Nº de dias no desafio Simplificando-me: 15 Nº de itens que saíram de...